quinta-feira, novembro 15, 2007

O beco – parte I e parte II


                           Aquele túnel com estranhas imagens
                           Surpreende os mais plácidos,
                           A anticarnívora de seus braços
                           É com certeza uma parede de ferrugens.

                           A alma que ali havia escorrendo
                           Tinha certeza do marrom de sangue
                           Que escorria da matéria abundante
                           E disso corri e me arrependo.

                           Não sabia se era ilusão; era urina...
                           Sei que brilhava igual purpurina,
                           A mente de um homem cheia de veneno.

                           Comecei a correr em seguida parando,
                           Logo ali, avistei um fantasma assombrando
.                          Percebi que o sangue ele estava bebendo.






                                     Parte II

                            De todos os seres ilusórios
                            Aquele foi meu medo,
                            De saber que tinha um carneiro
                            Com placas de metais rotatórios.

                            Com todo o percurso imaginário
                            Não obtive obstáculos regulares
                            Pessoas com parasitas intracelulares
                            Olhavam para mim como seres ordinários.

                             E aquele sentimento escandaloso
                             Era um inferno, um grande colosso.
                             Só de pensar que era imaginação, eu ando.

                             É um modo de ser o que não sou,
                             A partir daí avistei um beija-flor,
                             Depois do sonho; realidade. Eu te amo.


Nesse dia eu havia faltado no meu trabalho, então fomos até o aprendiz, lá no beco.
nesse dia estava o Murilo, o Mario, a Ana, eu e mais alguém que não lembro...
enfim, este soneto é um sonho, um pesadelo, e justo naquele dia conheci uma pessoa que me ensinou
a gostar do mundo.



Acho que ele foi feito numa Terça-feira, 12 de Setembro de 2.006

2 comentários:

Ponesa disse...

sO brisão esse soneto eh foda
flw

Pedro Saldanha Gonçalves disse...

nossa, valeu por ter comentado!